Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

O direito de violar - Um ensaio sobre a natureza da posse do útero na sociedade moderna

Recentemente às redes sociais se inflamaram devido a decisão da suprema corte dos EUA que, em resumo, tira o direito das mulheres estadunidenses de fazer o aborto legalmente. Isso reacendeu um debate milenar que surpreende e revolta quem tem o mínimo de consciência social que é sobre a posse das pessoas sobre seus próprios corpos numa sociedade de mais valia. É, de fato, um absurdo que consigamos avançar tanto em tecnologias materiais enquanto que às tecnologias sociais, ou seja, às ferramentas que criamos para interagir uns com os outros como às leis e instituições, ainda obedeçam regras que reproduzem crueldades do início da nossa dita “civilização”. Parando para pensar brevemente, na sociedade patriarcal o útero sempre foi uma posse, um objeto a ser desfrutado por seu dono, um homem, não a pessoa que nasceu com ele. Uma posse tal qual um terreno ou bem qualquer. A sociedade judaico-cristã “ocidental” criou a família como uma instituição cuja função é, simplificando algo extremamente

Últimas postagens

Maldade ou engano? – Desigualdade, hierarquia e consciência social no Brasil

Agora estamos no TikTok

Capital Afetivo

Caso Genivaldo | Políticas públicas de saúde mental e violência

Cultura japonesa e colonialismos culturais

Manifesto do meu canal no YouTube

Epistemologia Racista

Resenha de Oradores dos Sonhos - uma história que traz mágica pro mundo real

A psicologia da indignação

Veja também: